BEATLES E O STAR CLUB

 

O Star Club teve um papel muito importante na carreira dos Beatles, afinal, foi lá que eles realmente pegaram o jeito para encarar a estrada. Os Beatles foram para Hamburgo 6 vezes. A primeira vez foi em Agosto de  1960. Nessa viagem eles tocaram por dois meses no Indra Club (de 17 de Agosto a 16 de Outubro) e três meses no Kaiserkeller (de Outubro a Dezembro). Ainda em dezembro fizeram uma única apresentação no Top Ten Club.  O Top Ten Club era o clube rival do Kaiserkeller, o que fez com que o dono do Kaiserkeller danunciasse à polícia que George era menor de idade. George foi deportado de volta pra Liverpool e os outros tiveram a licença de trabalho cassada. A segunda foi em Abril de 1961, pra tocar por mais dois meses no Top Ten Club. O contrato acabou em Junho, e eles voltaram pra Inglaterra. No dia 11 de Abril de 1962 eles voltaram pra Hamburgo, dessa vez para tocar no Star-Club. John estava feliz por voltar à Alemanha, pois veria o amigo Stuart pela primeira vez desde Junho de 1961. Mas Stuart havia morrido na noite anterior, no dia 10 de Abril de 1962, de hemorragia cerebral. Os Beatles cumpriram seu contrato e foram pra Liverpool no dia 5 de Junho de 1962. Em Novembro eles tocariam por 12 dias (do dia 1 ao dia 13) no Star Club, na mais curta viagem do grupo a Hamburgo, naquele início de carreira. A quinta e última viagem aconteceu no dia 17 de Dezembro de 1962. Eles tocaram todos os dias, entre o dia 18 e o dia 31 no Star-Club. Foi nessa viagem que foram feitas as gravações dos Beatles ao vivo no Star-Club. A última viagem à Hamburgo aconteceu em 26 de Junho de 1966, onde os Beatles se apresentariam no Ernst Merck Halle. O show foi transmitido pela TV, no programa "Die Beatles - Damals In Hamburg", mas não há gravações (vídeo ou áudio) disponíveis.

 O Star-Club ficava na Grosse Freiheit 39, St. Pauli, em Hamburgo, Alemanha. O clube exitiu por 7 anos,entre 1962 e 1969. O Star-Club foi inaugurado por Horst Fascher no dia 13 de Abril de 1962, onde antes ficava o Stern Kino. Horst queria se vingar de Bruno Koschmider, que havia denunciado os Beatles à policia em 1960 e também havia tirado o Top Ten Club do negócio. Também queria estar de volta ao Reeperbahn, e ser empresário de bandas.

Então ele e o parceiro Manfred Weissleder abriram o Star-Club. Manfred, porém, não queria nenhum grupo desconhecido de garagem pra tocar em seu clube, e foi por isso que o chamou de Star-Club: "o clube das estrelas". E rapidamente o Star-Club era o maior clube de Hamburgo, e conseguiu que todos os artistas renomados da época tocassem lá, como: Gene Vincent, Jerry Lee Lewis, Little Richard, The Everly Brothers, Chuck Berry, Bill Haley, Bo Diddley, Tony Sheridan e Ray Charles. Chamando cada vez mais estrelas, Weissleder conseguiu fazer com que seu clube ficasse famoso na Europa como o "centro-beat do mundo",

e contratou muitas outras estrelas, como Gerry & The Pacemakers, The Swingin' Blue Jeans e The Searchers. Em seu auge, mais de oito bandas se apresentariam por noite, a maioria delas vinha da Inglaterra (The Zodiacs, The Remo Four, The Dominoes) e algumas poucas bandas alemãs como The Rattles e The German Bonds. Vários outros artistas de peso que tocaram no Star-Club e alguns merecem ser citados: Black Sabbath, Cream, Chicken Shack, Crickets, Fats Domino,

Donovan, The Animals, Duane Eddy, Groundhogs, Richie Haven, Keef Hartley, Mannfred Mann, Small Faces, Spencer Davis Group, Spooky Tooth, Taste, Vanilla Fudge, Yes, e o inigualável Jimi Hendrix ainda com o Experience. O Star-Club fecharia no dia 31 de Dezembro de 1969, depois de um concerto da dupla

britânica Hardin York. Entre 1964 e 1967 o Star-Club também lançou um selo, onde vários dos artistas citados lançaram singles e alguns lançaram o único LP da carreira.

 

 No dia 20 de Dezembro de 1962 "Love Me Do" chegaria ao número 17 das paradas britânicas, e então Ted 'King Size' Taylor (líder dos Dominoes) conseguiu convencer Adrian Barber (um dos empresários do clube) a gravar um show

dos Beatles. Em 1976 o ex-produtor da Polydor Paul Murphy se encarregou de trabalhar nessas gravações, sem o consentimento dos Beatles. Foi ele também o responsável final pelo primeiro lançamento em LP, pelo selo Bellaphon (BLS 5560), que embora tenha boa compilação de faixas, não traz todas as faixas disponíveis, e traz faixas editadas, com cansativos fade-ins e fade-outs que tiram o aspecto "live" da fita, o que faz com que o LP fique um pouco difícil de ser ouvido. O LP trazia em sua contra-capa e na capa interior um texto de Chris White, bem informativo para os padrões da época, mas risível para os atuais. Nos anos 80 vieram mais alguns LPs, e na era do CD veio uma avalanche de títulos, sendo difícil manter um catálogo completo de títulos com essas gravações. Nenhum desses títulos, porém, nos traz todas as gravações do Star-Club em uma qualidade de som aceitável, e na íntegra, sem edições.

 Os shows que foram gravados - ao que tudo indica - foram quatro, dois no dia 25 de Dezembro, um no dia 28 de Dezembro de o último no dia 31 de Dezembro de 1962.

É quase impossível detectar quais canções vêem de cada um dos shows e, devido ao número infinito de edições que a fita sofreu (primeiro nas mãos de Adrian Barber e depois nas mão do produtor Paul Murphy), é também quase impossível dizer qual a

ordem certa das canções. A lista completa de músicas gravadas segue abaixo, com alguns detalhes: - I Saw Her Standing There (3:03) - A Taste Of Honey (3:02) - inclui um verso extra que não foi lançado pelos Beatles em nenhuma outra versão da música, nem mesmo a oficial. - Till There Was You (1:59) - Where Have You Been All My Life? (2:49) - Lend Me Your Comb (2:23) - Your Feet's Too Big (2:24) - I'm Talkin' About You (2:03) - To Know Her Is To Love Her (3:45) - Everybody's Trying To Be My Baby (2:33) - Matchbox (3:17) - Little Queenie (3:58) - Nothin' Shakin' (1:44) - Roll Over Beethoven (3:32) - Red Hot (0:32) - I Saw Her Standing There (3:01) - Kansas City (3:03) - Shimmy Like My Sister Kate (2:30) - Falling In Love Again (2:06) - Roll Over Beethoven (2:18) - Hippy Hippy Shake (1:49) - Sweet Little Sixteen (2:50) - Twist And Shout (2:45) - Mr. Moonlight (2:21) - Besame Mucho (3:54) - Reminiscing (2:10) - I'm Gonna Sit Right Down And Cry (2:43) - Sheila (1:56) - Ask Me Why (2:38) - Be-Bop-A-Lula (2:33) - o vocal principal é de Fred Fascher, irmão de Horst, e garçom do Star-Club. - Hallelujah, I Love Her So (2:12) - o vocal principal é de Horst Fascher, sócio/dono do Star-Club. - Red Sails In The Sunset (2:19) - I'm Talking About You (1:55) - Long Tall Sally (1:55) - I Remember You (1:58) - Money (3:49) - mais uma gravação onde os Beatles não cantam, aqui o vocal é de Tony Sheridan.

- Road Runner (1:55) Algumas gravações foram exaustivamente creditadas aos Beatles nos anos 70/80 e parte dos 90, são elas: "Lovesick Blues", "A First Taste Of Love" e "Beautiful Girl". Essas três músicas que foram gravadas por Adrian na mesma fita são performances da banda de Ted Taylor, os Dominoes. "Dizzy Miss Lizzy" também foi gravada, mas nunca foi confundida com uma gravação dos Beatles.

  
(TEXTO BASEADO EM TEXTO PEGO NA NET)